Close

Not a member yet? Register now and get started.

lock and key

Sign in to your account.

Account Login

Forgot your password?

ARTIGOS – Marketing Digital

separador2

 

 

 

 

 

 

 

 ««Serviços de MARKETING e COMUNICAÇÃO

Principais tendências do Marketing Digital

Marketing de conteúdo em alta
Para que as marcas ganhem a confiança dos consumidores, a criação de conteúdos que agreguem valor e informação ao dia a dia das pessoas torna-se imprescindível. Informações relevantes sobre o mercado de carácter informativo ou lúdico tornam-se pertinentes.
Isso permite que uma empresa construa progressivamente um relacionamento com o seu público-alvo, e dessa forma conquiste a confiança e preferência das pessoas.

SEO – Redes sociais ganham mais importância
As redes sociais exercem um forte impacto sobre o trabalho de SEO.
Como o objectivo do Google e de outros motores de busca, é fornecer aos usuários conteúdos relevantes, faz sentido que tenham em consideração o número de vezes que um artigo é postado num blog ou no caso dos produtos, referenciado numa loja virtual.
Mas, dada a importância crescente das redes sociais, é espectável que os motores de busca venham a igualar ou até mesmo superar a importância atribuída a estas redes, nas estratégias de link building.

Links Patrocinados – Google x Facebook
A luta entre o Google e o Facebook no que toca a links patrocinados, tende a tornar-se cada vez mais evidente. O AdWords tem perdido muito espaço para os Facebook Ads. A reposta tem sido a criação de recursos cada vez mais sofisticados no Google AdWords, assim como um poder de segmentação cada vez maior.

Redes sociais ainda mais activas
As redes sociais já fazem parte do nosso dia a dia e a tendência é que se tornem cada mais presentes. Também no comércio electrónico podemos observar um uso cada vez maior das redes sociais, com uma integração cada vez mais acentuada às plataformas de e-commerce. O marketing digital ganha assim cada vez mais importância, na relação entre a marca e o potencial cliente.

Google analytics
O poder nos dias de hoje tem um nome: Informação.
Fortes avanços foram feitos na área da web analytics através das ferramentas desenvolvidas no Google Analytics. Este tornou-se mais completo, permitindo obter mais detalhes e informações sobre os acessos aos nossos sites e resultados de campanhas de marketing online.
A tendência é que novos avanços ocorram neste sentido, nomeadamente em sistemas de inteligência artificial, também conhecidos como redes neurais. Terão uma presença cada vez maior no arsenal de ferramentas de marketing online.

Mobile marketing será um must have
Devido ao uso generalizado e crescente de dispositivos móveis, estruturar campanhas de marketing digital com suporte para dispositivos móveis é essencial.
Para proporcionar uma experiência positiva para os usuários que utilizam um dispositivo móvel para navegar, torna-se fundamental a utilização de Web design responsive.
Se as marcas não optarem por este caminho, o resultado será a perda de clientes para concorrentes que se adaptaram a esta tendência. Como a mudança de PCs tradicionais e laptops para dispositivos móveis continua, as empresas que não estiverem prontas para essa transição correrão o risco de sofrerem pesadas perdas.

Email marketing cada vez mais segmentado e responsive
A segmentação cada vez maior nas campanhas de email marketing é agora fundamental, chegou fim do email marketing como veículo de comunicação em massa.
A personalização e segmentação das campanhas fará toda a diferença.
Todas as peças publicitárias deverão ser adaptadas e desenvolvidas tendo em conta a realidade multitela.

O que determina o Sucesso ou Insucesso de uma marca/empresa?

Na luta constante por uma posição sólida, uma questão surge de forma recorrente “O que determina o SUCESSO ou INSUCESSO de empresas, cujo foco e actuação é aparentemente similar?”.

Será uma questão de sorte ou existirá algum factor que nos é alheio?

 

esquema

 

CASO DE ESTUDO

Vamos analisar um exemplo por todos conhecido, Coca-Cola vs Pepsi, a eterna luta pela preferência dos consumidores e a derrota constante do mesmo lado.

Será a Pepsi um produto pior? A resposta é surpreendente mas simples.

O laboratório de ressonância magnética da Faculdade de Medicina da Universidade de Baylor, nos Estados Unidos, realizou um estudo num universo de 67 indivíduos, a fim de encontrar resposta para este mistério.

A experiência tinha um carácter bastante simples – medir, utilizando técnicas de ressonância magnética, a actividade cerebral dos mesmos, perante duas situações distintas.

Numa primeira etapa, efectuaram uma prova cega. Provaram as duas bebidas.

A escolha de mais de metade do grupo recaiu sobre a Pepsi. Os resultados da análise cerebral confirmaram a escolha.

Na segunda etapa, repetiu-se o processo, mas desta vez as marcas estavam claramente identificadas nos copos – 75% escolheu Coca-Cola.

 

A actividade cerebral inerente a este resultado, foi também divergente da anterior.

Para além do Putâmen Ventral (região do cérebro que é estimulada sempre que um determinado sabor nos agrada) era também visível actividade no Córtex Pré-frontal Médio, responsável entre outras coisas, pelas formas mais elaboradas de pensamento e pelo discernimento.

“As associações positivas que os voluntários faziam com a Coca-Cola – a sua história, o logótipo, a cor, o design, o cheiro; as suas memorias de infância, os anúncios impressos e de televisão que tinham visto ao longo dos anos, aquela pura, indiscutível, inexorável, indestrutível e sentimental sensação associada à Coca-Cola – Conseguiram vencer a preferência natural e racional pelo sabor da Pepsi. Porquê?” 1

Porque as emoções são o meio através do qual o nosso cérebro codifica as coisas de valor, e uma marca que seja capaz de nos envolver emocionalmente irá sempre sair a ganhar.

Para além da excelência dos produtos / serviços, as empresas têm de ir mais além, precisam comunicar de forma eficaz, estabelecendo relações empáticas com os potenciais clientes.

A maioria das empresas não tem ao seu dispor orçamentos milionários, mas isto não é nem pode ser um entrave na relação com o mercado.

 

Use a CRIATIVIDADE, combinada com um meio privilegiado de alcance mundial e gratuito – a WEB.

Existem múltiplas redes sociais, vocacionadas para diferentes sectores de actividade. Desde o Facebook, em que pode estabelecer o contacto directo com o cliente final, ao Linkedin, onde é possível relacionar-se com parceiros / decisores / fornecedores, as possibilidades são infindáveis.

Coloque o seu site em primeiro lugar no motor de busca, comunique eficazmente e tenha sempre em mente que a melhor maneira de encontrar o seu cliente, é ser encontrado por ele. Crie uma história em torno da sua marca, fortaleça a sua credibilidade, envolva o cliente com a sua empresa, estabeleça laços de confiança e familiaridade.

NOTA 1 Informação retirada do livro “Buy-ology – a Ciência do Neuromarketing”, do autor Martin Lindstrom, da editora Gestão Plus, 2ª edição 2012

…………………………………………………………………………………………………………………………………………

Deixamos aqui 2 exemplos de vídeos em que a ligação emocional que pretendem estabelecer com o público-alvo é inequívoca.”


Mas não queremos que pense que só as grandes marcas, com os seus orçamentos elevados , conseguem captar a atenção!

Quatro jovens de Vinhais, pretendiam promover a feira do Fumeiro da sua localidade. Nada como uma paródia ao vídeo da cantora americana (muito badalada por estes dias) Miley Cirus, para rapidamente se tornarem virais nas redes sociais.

O segredo é CRIATIVIDADE.

 

NOTA 1 Informação retirada do livro “Buy-ology – a Ciência do Neuromarketing”, do autor Martin Lindstrom, da editora Gestão Plus, 2ª edição 2012

 

GLOSSÁRIO SOS

Criámos um GLOSSÁRIO SOS  a pensar em si, com os termos mais importantes quando a conversa é MARKETING DIGITAL.

bannerARTIGO

CTA – Call to Action – A tradução literal seria “chamada para ação”. São comandos passados aos usuários para que eles realizem uma ação esperada pela empresa. Podem ser botões, banners ou mesmo textos com links. Em geral, utilizam verbos no imperativo.

eBook – Na tradução literal, é livro eletrônico. No contexto do Marketing, é um Material educativo sobre algum assunto da área de atuação de uma empresa. São mais densos que posts em blogs e devem explorar mais a fundo o tema proposto.

Edge Rank – Algoritmo do Facebook que determina a relevância de posts e quais aparecem – ou não – no feed de notícias do usuário. É baseado em três fatores: afinidade (se há interações prévias com a fanpage), formato do post (link, vídeo, imagem) e tempo que a postagem foi feita (quanto mais antigo, menores as chances de aparecer).

Landing Page – O termo (página de aterrisagem) pode representar qualquer página que sirva como porta de entrada de um visitante do seu site. No entanto, no contexto de Marketing Digital costuma ser mais utilizada como uma página criada com um propósito específico de conversão.  O caso mais comum é a página com o formulário para conversão de visitantes em Leads (veja a definição de Lead).

Lead – Pessoa que deixou seus dados em um formulário de conversão e demonstrou interesse na sua empresa, produtos ou tema de mercado, podendo ser considerado um potencial cliente Por meio de relacionamento, ele pode caminhar pelo Funil de venda até que se torne um cliente.

Squeeze page – É o modelo de Landing Page focado na captação de emails.

SEM – A sigla para Search Engine Marketing. O SEM é um conjunto de estratégias de marketing com o objetivo de promover um site nas páginas de resultados dos buscadores, como Google, Yahoo, etc. Geralmente o SEM é dividido entre SEO (otimização para o site aparecer na Busca Orgânica) e anúncios em Links Patrocinados, como o Google Adwords.

SEO –  É a sigla para Search Engine Optimization (otimização para buscadores). SEO é o conjunto de técnicas, estudos e métodos que visam melhorar o posicionamento das páginas de um site em mecanismos de busca como o Google.

Link Building  – É o processo de conseguir mais links externos para o seu site com o intuito de melhorar o posicionamento nas ferramentas de busca. É importante que essa “construção de links” seja feita de forma natural, com outros sites relevantes e que atuem no mesmo mercado ou próximos ao seu, pois o Google penaliza sites com troca de links irrelevantes ao usuário.